Trecho perto do Coração Selvagem.




"[...]Nada a retinha, nem o medo.
Más mesmo que agora se aproximasse a morte, mesmo a vileza, a esperança ou de novo a dor. Parara simplesmente. Estavam cortadas as veias que a ligavam as coisas vividas, reunidas num só bloco longínquo, exigindo uma continuação lógica, más velhas, mortas. Só ela própria sobrevivera, ainda respirando. E a sua frente um novo campo, ainda sem cor a madrugada emergindo. Atravessar suas brumas para enxerga-lo. Não poderia recuar, não sabia por que recuar." Pg 179 ( Perto do coração selvagem.)

[Clarice Lispector]

2 comentários:

May Santos disse...

Lindo como sempre...
Clarice sempre cheia de palavras tão belas e cheias de sensibilidade


Beijos flor ^^

:)

mariaseumasilva@gmailo.com disse...

Essa mulher era uma louca divina.Gosto muito de suas obras.Eu escrevo também,loucuras assim.

Postar um comentário